O Uruguai está mordido  

jun 27

O Uruguai está mordido   

O atacante Uruguaio, Luis Suárez, foi de herói, passou por vilão e agora é vítima em apenas uma semana. Que Copa, amigos, que Copa! Luisito, como é carinhosamente conhecido, quase ficou fora do Mundial. Recém recuperado de uma cirurgia realizada apenas dois meses antes da competição, o atacante que joga no Liverpool, recuperou-se de forma surpreendente e marcou dois gols históricos no jogo contra a Inglaterra, dando confiança à equipe. Enquanto o Brasil inteiro se esquecia do ‘Fantasma de 1950’ (quando fomos eliminados pelo Uruguai na final da Copa, no Estádio do Maracanã) e torcia para que o time sul-americano se classificasse, algumas pessoas – aqueles que geralmente são conhecidos como os ‘do contra’ – começaram a lembrar o histórico do mau-caratismo do jogador uruguaio, que foi acusado de ter proferido palavras racistas, logo após ter chutado o jogador francês Patrice Evra, do Manchester United, no clássico contra o Liverpool, em 15 de outubro de 2011. O resultado disso foram oito jogos de suspensão e uma multa de 40 mil libras (R$ 115, 8 mil). Dá para ler e entender mais a fundo a história clicando aqui. Mas, ainda assim, Suárez foi um verdadeiro herói e exemplo de superação durante o jogo contra a Inglaterra no último dia 19/06.  Não só a torcida Celeste, mas os torcedores e imprensa brasileiros e mundial o idolatraram ao término da partida contra a equipe inglesa, na qual marcou dois gols. Mas não tardou para que Luisito mostrasse sua outra face. No jogo seguinte, contra a Itália (24/06), em Natal, que valia a classificação para as oitavas de final da Copa, o atacante uruguaio mordeu o zagueiro italiano Chiellini no ombro. O Uruguai venceu por 1 a 0, com gol marcado logo após este incidente, garantiu a classificação para a próxima fase e Suárez passou ileso aos olhos do juiz. Mas em tempos de Copa no Brasil, com tecnologias avançadas e campanhas de ‘fair play’ gritando aos ouvidos mundo, a não-punição do atacante teve os dias contados. Com ajuda das imagens de televisão que provaram o ocorrido, Luis Suárez teve punição definida pela Fifa na quinta-feira (26/06) e acabou sendo suspenso de nove jogos oficiais, banido de qualquer atividade relacionada ao futebol pelos próximos...

Read More

Torcida Sem Critérios

jun 12

Torcida Sem Critérios

Os ‘do contra’ de plantão que me perdoem, mas #vaitercopaSIM! E eu vou torcer, vestida de verde e amarelo, com camisa da Seleção, casa decorada, superstições, vuvuzelas e todas as breguices mais que tenho direito. Vou gritar, xingar o juiz, ficar tensa nos jogos decisivos e vibrar a cada vitória do Brasil. Porque esse nosso país tá todo errado, já sabemos. Falta investimentos na educação, saúde e segurança pública. É preciso dar um basta na corrupção. Falta investimento em mobilidade urbana, saneamento básico, telecomunicações. O gap entre os mais ricos e os mais pobres é tão grande que nem conseguimos ver como diminuir essa distância. Falta coisa pra caramba! Concordo que precisávamos de mais escolas e hospitais do que estádios, mas por mais clichê que pareça – e é! -, o futebol é a linguagem universal, que ultrapassa as barreiras sociais e une todos – eu disse TODOS – nós por uma mesma causa de paixão nacional. E mesmo que essa causa não ajude o Brasil a subir no ranking do índice de taxa de analfabetismo, essa é a única paixão que nos une de verdade, sem medo de mostrar pro mundo que ‘somos brasileiros com muito orgulho e muito amor’. O Brasil está lindo! Hoje, passando pela Avenida Paulista, senti o mundo inteiro hospedado no nosso coração. Eram croatas no bar, americanos nas ruas, japoneses conversando com colombianos. Dá para ver a mistura de raças e etnias se encontrando, se conhecendo. Dá para sentir a energia positiva no ar. O clima é de festa. E tem que ser mesmo, afinal, não é todo dia que dá para reunir o mundo inteiro no país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza. Aliás, nada melhor para uma mulher solteira como eu do que uma cidade cheia de gringos lindos, simpáticos e animados. Temos mesmo que aproveitar!!! Agora é hora de deixar as críticas de lado e lembrar que somos bons de verdade quando assunto é futebol e somos ainda melhores quando estamos juntos, torcendo pela nossa Seleção. O amor pelo nosso país deve ser maior do que o rancor pelos defeitos que ele tem. Então, vamos pras ruas, encher os bares, encontrar os amigos. Beber muito, curtir demais, torcer a...

Read More

Tem dias que são assim…

jun 10

Tem dias que são assim…

Angustiantes, solitários, tristes. Uma terça-feira mais feia que as demais. Dia cinzento, nublado, frio. Nada ajuda. Na playlist, músicas deprê. Ao redor, o bom humor das pessoas não te contagia, pelo contrário, desanima ainda mais. Cadê a vontade de sorrir? Ao invés disso, os olhos enchem de lágrimas a cada dois minutos por qualquer motivo, ou motivo algum. Tento mudar o foco. Não existe razão para essa insatisfação. Mas, quem se importa com os por quês? Só quero aliviar esse aperto no peito e não me sentir mais tão sozinha. Aliás, que tipo de solidão é essa, que vem do nada e vai para lugar algum quando estamos rodeados por uma multidão? Acho que essa é a pior de todas. Não estamos sós, nos sentimos únicos, uma espécie que não pertence a um grupo. Isolados nesse lugar onde o que mais falta é espaço para sermos nós mesmos. Respiro fundo (dizem que isso sempre ajuda). Mas, o ar parece não entrar, estou sufocada. Quero ir embora, fugir… sumir. Pra onde? Não sei. Mas, nesses dias sinto uma vontade enlouquecedora de recomeçar do zero. De ser quem eu não sou, estar onde não estou, conhecer quem não conheço, fazer o que não faço. Volto à razão. Sumir é impossível. Fugir não é viável. Minhas pernas impacientes não param por um segundo. Sou tomada por uma ansiedade incontrolável. Meu estômago está embrulhado. Não sinto fome (isso me preocupa, e me alegra, pelo menos algo de bom). Quero dormir. Essa é minha fuga possível. Mas, sem sonhar, tenho medo do que meu inconsciente reserva pra mim. Choro em busca de alívio. As lágrimas escorrem, mas com elas não partem os sentimentos de dor. Fecho os olhos e me perco na minha única e verdadeira esperança. Amanhã é outro dia e pode ser que esse não seja assim. Fernanda Barreira, 28 anos, é jornalista, paulistana da gema, solteira e corintiana roxa. É conhecida por ser do contra e intolerante, mas promete respirar 327 vezes antes de escrever algo que de algum modo incomode alguém… ou não. É pagar pra...

Read More

Cuspi pra cima e não tirei a testa debaixo

jun 02

Cuspi pra cima e não tirei a testa debaixo

Esse dia ia chegar, não tinha jeito. Numa casa de dog lover’s, chegaria o meu dia de  arrumar a minha própria encrenca. Sempre fui a primeira a criticar minha familia pelo amor incondicional que eles dedicam aos cachorros,  não por achar que esses animaizinhos não mereçam isso, mas pelo fato de que os papitos e irmã abriram mão de muitas festas e viagens na vida para cuidar dos bichos. Então, a surpresa não foi pouca quando anunciei que eu – a rainha da liberdade – me prendi a um cachorro. Como dizem os sábios: cuspi pra cima e caiu na testa. Ele chegou de uma família que não se adaptou a ele há 4 dias e já mudou minha vida como nunca (meu namorado e pai do au au que o diga). Eu, que odeio cozinhar, resolvi fazer o almoço no final de semana só para poder ficar perto do meu pet. Lavei a roupinha dele, limpei os xixis e cocôs inúmeras vezes, levantei cedo todos os dias para brincar com ele e NÃO RECLAMEI. Como diz o Igor (meu cara), o que nenhum homem conseguiu de mim numa vida, um cachorro conseguiu em poucos dias. Rudá foi o nome escolhido para o meu Buldogue Francês, que significa o DEUS DO AMOR na língua tupi. E, embora eu esteja consciente de tudo que vou abrir mão para dar uma vida digna a esse serzinho, sei que ele era exatamente o que faltava na minha vida nesse momento….e na verdade, na vida de muitos que me importam. Sei que um au au pode unir ainda mais um família e criar um ambiente cheio de amor, cocô e xixi. A verdade é que a vida anda plastificada, lipoaspirada, iPhonizada demais e com barulhos, cheiros e sabores verdadeiros de menos. Eu estava sentindo um vazio enorme, estava tudo certo demais, limpo demais, arrumado demais, mas sem vida, sem graça, sem sal nem açúcar. E, embora eu já vinha amadurecendo a ideia de ter um cãozinho há muitos meses,  foi como num passe de magica (guiado por Deus) que encontrei meu pet na internet. Quando o conheci pessoalmente e o peguei no colo pela primeira vez, juro que não sei qual coração estava...

Read More