Dias melhores virão

set 16

Dias melhores virão

Nunca acreditei nessa história de energia. Que pensamentos bons atraem coisas boas ou vice-versa. Sou uma pessoa prática, sem muitas superstições. Acho que as coisas acontecem porque são consequências de outros atos. Talvez por esse motivo tenho um histórico marcado pelo pessimismo. A vida inteira sofri com problemas criados pela imaginação, antecipei frustrações, desisti de certos sonhos por acreditar que não dariam certo e estimulei minha baixa autoestima. E apenas recentemente me dei conta de como tudo isso é prejudicial. Não que o negativismo traz problemas a minha vida. Continuo não acreditando no misticismo da força do pensamento. Mas, qual a vantagem de olhar apenas o lado ruim das coisas? Nenhuma. Quem é a única pessoa que sofre com a atitude de puxar tudo para baixo? Eu. Então, pra que? Fiquei sem resposta para essa terceira e última pergunta. Por isso, decidi encarar (ou tentar) a vida de uma maneira um pouco mais leve. Problemas, decepções, tristezas já temos aos montes. Incentivar, ressaltar e destacar isso é uma escolha. E, por 29 anos, foi minha primeira opção. Por que, então, não tentar uma alternativa diferente? Mais uma pergunta sem resposta. E como diz o ditado: contra fatos não há argumentos. Há poucos dias coloquei o otimismo em prática. Não, não me tornei a chata que sorri o tempo todo, muito menos passei a me iludir com qualquer coisa. Minha primeira atitude foi simples, nem por isso fácil. Estou tentando parar de reclamar de tudo o tempo todo. Olhar as vantagens nas circunstâncias, oportunidades nos desafios, qualidades em quem está por perto. Tenho uma vida boa, meus problemas não são os piores e para quase tudo se tem solução. Quando passamos a encarar dessa forma, parece que as coisas fluem um pouco mais facilmente. Acho que a maturidade dos meus quase 30 me fez querer um dia-a-dia mais tranquilo e uma existência baseada na esperança de que coisas melhores virão. E eu sei que elas virão. Fernanda Barreira, 29 anos, é jornalista, paulistana da gema, solteira e corintiana roxa. É conhecida por ser do contra e intolerante, mas promete respirar 327 vezes antes de escrever algo que de algum modo incomode alguém… ou não. É pagar pra...

Read More