Amores vazios

maio 05

Amores vazios

Um dia você acorda e simplesmente cai a ficha: você percebe que aquilo que chamava de amor até a noite anterior, não passa de um vazio sem significado.

Entende que aqueles beijos escondidos, as transas rapidinhas na madrugada dentro do carro, as mensagens secretas, tudo isso significa tanto quanto… nada.

 

Você passa a aceitar que é isso que vocês podem ter e ‘isso’ é melhor que nada. Pior: acredita fortemente que ‘isso’ é mais forte que todos os amores e que ‘isso’ fortalece os laços entre vocês.

Você se conforma com a mentira que criou para enganar apenas você mesma, porque não tem coragem de dizer – e nem de ouvir – “Eu te amo” em voz alta. Porque talvez, se disser, torne-se realidade. E o amor assusta porque é verdadeiro. E você só se acostumou com a mentira.

Você acaba deixando sua vida inteira passar, assistindo de longe as outras pessoas serem felizes de verdade: eles namoram, casam, têm filhos, viajam juntos, conquistam o mundo e compartilham isso com todos. E você participa disso de longe, como uma espectadora da sua própria vida que finge que é feliz guardando um falso amor escondido nas sombras.

Foto: Google ImagesVocê finge que acredita ser melhor que todas as outras porque só você tem a verdade por inteiro e porque o conhece como ninguém. Mas a verdade é que você não o tem. E um relacionamento não é via de mão única. O amor é construído a dois. E isso deixa você com a única verdade dessa história doentia: você não tem nada.

Você nega para si mesma e para o mundo. Finge que nada está acontecendo e que tudo isso é normal. Afinal, quem é que precisa de rótulos, definições e compromissos reais? E, de repente, você entende que todo mundo precisa. Todos que querem ser respeitados e amados precisam. Todo mundo que quer estar numa relação de verdade e que não se importe em colocar “em um relacionamento sério com Fulano de Tal” no Facebook ou publicar fotos sem vergonha no Instagram.

Porque a felicidade só é real quando compartilhada. E se você precisa esconder de todos e mentir para o mundo, incluindo sua família e amigos mais próximos… Bom, isso não é felicidade. Isso não é amor.

Porque o amor é verdadeiro, é cúmplice e gosta de se fazer real, presente e companheiro. O amor não mente, não trai, não exclui. O amor participa, divide, conquista. O amor não deixa de fora, torcendo nas sombras da arquibancada. Não. O amor corre junto, grita e vibra nas vitórias, chora e consola na derrota. O amor não magoa de propósito, não abre feridas cicatrizadas por puro prazer. O amor traz paz de espírito.

Você fecha os olhos e se lembra dos momentos que nunca existiram e das promessas que nunca foram e nem serão cumpridas, mas você sorri mesmo assim. Porque as coisas que nunca aconteceram são as únicas que você tem.

Você vive de momentos roubados e repete para si mesma que são momentos reais. Sente até certo orgulho por ter algo tão único, ‘coisas só de vocês’. Mas esses momentos não são seus, porque ele não pertence a você. E então, você fica parada, esperando por uma coisa que nunca vai acontecer. E adivinhe? Nunca acontece.

E, de repente, como num passe de mágica, você entende que a única coisa que você tem de verdade, é a mentira.

E aí um dia você acorda e simplesmente cai a ficha: você percebe que aquilo que achava que era amor, não é nada. E então, perdoa a si mesma e começa a viver.

 

Foto: Google Images

 

Talita Camargo, 28 anos, é jornalista e está sempre conectada. Apaixonada por livros e cinema, vive para viajar o mundo e adora carboidratos. Libriana, sofre com o conflito da dúvida e busca o equilíbrio. Acredita no amor sincero e, para ela, pensamentos positivos atraem coisas positivas. Sempre!
Share Button

4 comments

  1. Fernanda Barreira /

    Orgulhosa de você, amiga! Pelo belo texto, mas principalmente pelo aprendizado, pela coragem, pela honestidade. Te amo (e quero que todo mundo saiba disso, haha) <3

    • Talita Camargo /

      Uons! Vc é parte de todo esse processo, que ainda está em andamento. Mas eu chego lá. E sei que posso contar com vc. Te amo também e quero que todo mundo saiba disso, sem medo! <3

  2. Francieli /

    Nossa, que lindo este texto. Parabéns!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Doar, doar e doar - Sem Critérios | Sem Critérios - […] longo dos meus quase 30. Fui demitida depois de ser humilhada profissionalmente. Descobri que o cara que eu gosto está namorando uma…
  2. Problema adiado, sofrimento prolongado! | Sem Critérios - […] Amores vazios […]

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*