Foca no que pode dar certo

set 25

Foca no que pode dar certo

...

Read More

Pelo direito de ser mulher

maio 26

Pelo direito de ser mulher

Na cerimônia de premiação do Oscar em 2015, a vencedora do prêmio de atriz coadjuvante, Patricia Arquette, usou o momento de seu discurso para alertar sobre discriminação salarial (e outros pontos) entre homens e mulheres na indústria cinematográfica e no mundo. O assunto abriu pauta pro debate e, um amigo querido, bonito e inteligente fez um post em seu Facebook criticando o mimimi da mulherada que estava apoiando a atriz. Nos comentários, uma enxurrada de frases machistas e misóginas da pior qualidade, escritas por outros amigos queridos, bonitos e inteligentes. E naquele post começou a guerra entre eles e nós, as amigas que simplesmente não se conformavam que o machismo estava ali, no pensamento, na fala e nas atitudes daqueles que nos são tão próximos. Foi então que uma das meninas tomou a iniciativa de criar um grupo fechado para as mulheres não só levarem a discussão adiante, mas poderem compartilhar suas histórias, seus lamentos, seus sofrimentos diários por… serem mulheres. O grupo, que começou com menos de dez integrantes, hoje conta com mais de 90 mulheres, que convidam sempre um membro novo para ajudar a enriquecer o debate. Tenho muito orgulho desse nosso pequeno ponto de apoio. Nele, podemos comentar o que quisermos, sem medo do julgamento. Nele, aprendemos todos os dias que, em muitas situações, nós mulheres também temos comportamento machistas. Lá, debatemos o que podemos mudar no nosso comportamento e na nossa relação com os outros para transformar este, num mundo melhor para as mulheres. Porém, por mais de uma vez já nos questionamos se não somos apenas dezenas de ativistas de internet, vivendo numa bolha, e deixando tudo como efetivamente sempre esteve. Mas, no fim, estamos fazendo bem umas para as outras. E isso já é muito mais do que o o mundo inteiro tem feito por cada uma de nós, mulheres. Mas hoje, com a notícia de que 33 homens estupraram uma adolescente de 16 anos no Rio de Janeiro e publicaram na Internet imagens do estado dela pós-ataque, com comentários irônicos; eu tive que sair do nosso grupo. Tive que dar a cara a bater e provocar o debate, porque nós não podemos nos calar. Não importa se ela estava drogada. Se é...

Read More

Que preguiça de tantos rótulos

dez 16

Que preguiça de tantos rótulos

No final de semana fui levar meu filho- cão para brincar no Parque do Ibirapuera. Gente, primeiramente, como os humanos estão estragando os bichos…humanizando demais, transferindo valores que não existem no reino animal, mas isso vou deixar para um próximo post. Nesse aqui só vou meter a boca mesmo nos humanos X humanos. Em um determinado momento, paramos para descansar em baixo de umas árvores e tinha um casal e uma fotógrafa bem pertinho, fazendo as fotos pré-casamento dos noivos. O casalzinho era bonitinho, parecia apaixonado e blá blá blá. Até que a fotógrafa começou a dirigir a cena. Foi mais ou menos assim: “Vamos lá, agora o noivo finge que está fugindo. Isso, faz cara de desespero…assim mesmo. Hahaha…isso, essa cara de que o mundo acabou. A noiva continua sorrindo, olhando para o noivo como se sua vida dependesse dele. Isso mesmo, a noiva com cara de feliz e o noivo de triste”. E os dois bobinhos/pombinhos fizeram tudo aquilo que a fotógrafa disse. E acharam normal. E acharam engraçado. E não perceberam (espero eu) o machismo embutido nessas atitudes. E colaboraram para um mundo onde já há preconceito suficiente para destruir a vida de tantas mulheres. E não questionaram se as relações ainda são assim (mulher matando pra casar e homem matando para ser solteiro). E simplesmente repetiram comportamentos que não são mais aceitáveis (pelo menos para mim). Esse retrato me pareceu muito com aquilo que chamamos de vida, com a repetição de padrões e rotulagem das pessoas. Isso cansa. Isso dá preguiça. Mas me sinto na obrigação de deixar o cansaço e a preguiça de lado para dizer: POR FAVOR PAREM…POR FAVOR QUESTIONEM…POR FAVOR SEJAM AUTÊNTICOS. Adriana Santos, 35, é jornalista de formação e fofoqueira de coração. Leonina com muito orgulho e cheia de clichês óbvios, acredita no amor, não só o de homem e mulher, mas o amor que faz o mundo continuar...

Read More

Vergonha de ser brasileira? Não, não…vergonha de ser humana

out 27

Vergonha de ser brasileira? Não, não…vergonha de ser humana

Ontem, acompanhei o resultado da eleição de olho na TV, no Twitter e no Facebook. Na TV, a realidade, no Twitter, a comédia, e no Facebook o horror…..e que horror, que nojo, que decepção. Racismo, preconceito, machismo, intolerância, ignorância…tudo junto e misturado. Pouquíssimas pessoas postaram argumentos realistas, respeitosos, políticos e econômicos. O que “bombou” foi dizer que nordestino é vagabundo, que a presidente é uma vadia, que quem votou no PT deve morrer na fila do SUS, que os paulistas trabalham para sustentar o Bolsa Familia de milhões de vagabundos….quanto ódio…ódio gratuito. Fiquei pensando em algumas pessoas aqui do trabalho, que me relataram o que é passar fome no sertão e que vieram do Nordeste para cá em busca de uma vida melhor. E que direito eles têm de fazer isso? Eu respondo: TODO! São trabalhadores, cuidam de suas famílias, estão sempre com o sorriso no rosto e, mesmo não tendo tudo que gostariam, sabe que estão bem melhores aqui…..e me magoou ver tanta gente julgando-os. Lembrei MUITO também de uma malina aí que amo demais e que veio pra Sampa estudar, trabalhar e ralar….ahhhh, como ralou..eu via quando ela mal tinha dinheiro para comer um lanche a noite….e ela venceu….e é o meu orgulho…..é um orgulho para São Paulo…pro Brasil…pro Mundo….pra Deus. Li também – de muita gente que foi tentar “uma vida melhor no exterior” – críticas ferrenhas sobre quem vem do Nordeste “tentar uma vida melhor aqui”. Oiiii??? Sério mesmo que vocês não percebem nenhuma semelhança em ambas as situações? E o pior é que não percebem. Também pensei muito no meu pai, que está esperando há mais de 1 ano para fazer uma cirurgia pelo SUS e na revolta que sentimos todos os dias por essa demora. Mas agradeci a Deus por que vamos conseguir juntar uma grana e pagar por essa cirurgia…mas e aqueles que não conseguem, merecem esse sofrimento? Não, não merecem. É muito triste ver familiares acompanhando seus doentes sem nem sequer ter onde dormir ou o que comer….e as pessoas acham mesmo que quem voltou no PT merece estar nessa situação? Vi muito machismo velado ao apelidarem a presidente de vadia, puta, vaca….ela pode ser má administradora e milhares de coisas,...

Read More

Uma vesícula, 11 pedras e kilos de peso nos ombros a menos

out 08

Uma vesícula, 11 pedras e kilos de peso nos ombros a menos

Tirar a vesícula tem seu lado bom…o de ter tempo para pensar durante a recuperação da cirurgia (ah, e também espero que menos dores e enjoos). Essa foi a minha conclusão após a cirurgia que fiz no dia 26/09. Graças a Deus tudo correu bem e a recuperação tem sido melhor do que eu esperava. Foram no total 10 dias de repouso e serão 45 dias sem fazer esforço físico. Fiquei 10 dias em casa, de boa na lagoa, aproveitando para cuidar do meu filho-cão Rudá, que estava com bronqueolíte e não saiu do meu lado o tempo todo. Meu namorado ficou morando em casa para cuidar de mim, já que minha família mora no interiorrrrr. Mas enquanto ele estava no trabalho me vi sozinha, sem poder fazer quase nada e me perguntava: cadê todo mundo que vinha nas festas que eu dava? Cadê aquelas pessoas que curtiram meu status no Facebook? Será que elas não sabem que aquilo lá é o mundo virtual e que as pessoas precisam de pessoas reais. Não que eu quisesse todo mundo no meu quarto, me vendo de cabelo oleoso e pijama zuado, até porque eu amo minha solidão, mas sei lá, me magoei um pouco, achei que as pessoas estão muito frias. Eu sei que as que realmente não podiam ir me ver, se preocuparam à distância, me ligaram ou mandaram mensagens todos os dias…e sou muito grata por isso <3. Minha grande amiga Tia Deise fez sopinha e foi me visitar diariamente, a sempre prestativa Tateana dava seus gritinhos para ver se eu estava bem e a sogra me encheu de frutinhas saudáveis….e isso ajudou na minha recuperação, sem dúvida nenhuma. Mas, como minha Sindrome de Culpa Crônica nunca me abandona, refleti que estou colhendo o que plantei. Em geral, visito meus amigos e familiares muito menos (ou quase nada) do que gostaria, em partes pela correria do dia dia, pelos compromissos no final de semana e por preguiça. Mas, ao mesmo tempo, me senti aliviada, pois estamos todos (ou quase todos) no mesmo barco. Além de 11 pedras e uma vesícula, tirei um enorme peso dos meus ombros ao perceber que eu não sou a única “ocupada” nessa vida e...

Read More

No avião

out 06

No avião

Já contei aqui que gosto muito de viajar. E, grande parte dessas viagens, depende desse incrível meio de transporte chamado avião. Nunca tive medo de andar de avião (aliás, nunca entendi muito bem esse termo ‘andar de avião’. Como é que se anda no ar?). Não sei se é porque estou acostumada a fazer isso desde pequena, ou se é porque meus pais me criaram para não ter medo de enfrentar o mundo. Talvez um pouco de cada. Mas o fato é que não entro em pânico, não me desespero, não me sinto mal, não tomo remédios para apagar durante o voo, não tenho chiliques. Mas também não sou a maior entusiasta. Acho chato, apertado, incômodo. Fora a burocracia de check in, filas, peso de bagagens etc etc etc. Não tenho grandes empolgações, não fico super animada… E, apesar de adorar o clima de aeroporto, os dias de viagens são dias mortos, porque é preciso chegar cada vez mais cedo, com horas e horas antes do embarque, para não correr o risco de perder o voo. Para mim, viajar de avião é apenas um meio de se chegar onde eu desejo. É uma espécie de mal necessário. Mas confesso que tenho minhas superstições: sempre piso na aeronave com o pé direito, e na hora da decolagem e do pouso, sempre cravo os dois pés no chão e rezo um Pai Nosso. Além disso, faço o trajeto todo com cinto de segurança, independente do aviso de ‘apertar os cintos’. Detesto turbulências (alguém gosta?) não só porque a ideia de que algo pode estar errado e um acidente pode acontecer, mas porque corro o risco de me sentir mal, com tonturas e náuseas. Uma vez, quase chegando em Nova York, resolvi usar o toalete, logo após servirem o café da manhã. Quando estava escovando os dentes, o avião entrou numa rápida turbulência e senti ele descer bruscamente. Eu voei longe na minúscula cabine do banheiro. Bati cabeça, fiquei com hematomas no braço e quase devolvi o desjejum. Não foi nada agradável. Também me irrito toda vez que viajo com as infinitas informações dadas pelo comandante e pela movimentação dos comissários: depois de toda excitação do embarque, muito se engana quem acha...

Read More

Você prefere ser feliz ou ter razão?

set 02

Você prefere ser feliz ou ter razão?

Eu não sou de levar desaforo para casa. E, ao contrário do que pode parecer, não considero isso uma virtude. Em diversos momentos, penso que talvez eu devesse ter simplesmente deixado para lá e Seguido com a vida tranquila, sem o estresse de uma resposta mal dada, que gerou uma discussão mal resolvida, que acabou em mágoa, rancor, raiva e uma série de sentimentos negativos dos quais ninguém precisa. De uns tempos para cá, tenho tentado melhorar isso em mim, porque tenho percebido que, às vezes, vale a pena deixar o seu chefe chamar você de burra na frente da equipe inteira; ou desistir de tentar fazer aquele seu rolo infinito entender que vocês precisam assumir a relação. Em muitas ocasiões, é melhor fazer vistas grossas para sua irmã que, outra vez, está usando uma roupa sua sem te pedir emprestada; ou ignorar o fato de que sua amiga está acabando com a vida dela porque não toma atitude alguma para melhorar. Não adianta querer consertar o mundo desse jeito. Tem que fazer o que dá para ser feito, sem estragar a sua felicidade. Porque tentar convencer o mundo de que você está certa e todo o resto não, vai desgastar sua saúde física, mental e, principalmente, emocional. E a sua infelicidade não vai ajudar em nada a melhorar o mundo. Um dias desses eu estava brigando com meu ex, só para variar um pouco. E, de repente, percebi que ele nunca iria entender o meu ponto de vista, pelo simples fato de que isso não lhe era conveniente. E quando tive esse ‘click’, simplesmente parei de brigar, concordei com ele e fim. Se eu estava certa? Sim, eu estava. Sei disso e, no fundo, ele também. Mas não posso mais tentar convencer ele ou qualquer pessoa de que estou certa sobre isso ou aquilo, mesmo que seja sobre 2 + 2 ser igual a 4. Há diversas pessoas que não estão dispostas a compreender o seu lado da história. Como jornalista e libriana, é difícil entender quem não entende. Mas ainda assim, é preciso respeitar as pessoas. Então, chega uma hora que você deve se perguntar: você quer ser feliz ou ter razão?   E sinto em ser a portadora desta...

Read More

Doar, doar e doar

ago 25

Doar, doar e doar

Este ano não está sendo fácil. Acho que já fui em mais enterros em 2014 do que ao longo dos meus quase 30. Fui demitida depois de ser humilhada profissionalmente. Descobri que o cara que eu gosto está namorando uma menina que eu detesto. Engordei 10 Kg em sete meses. Vou poupar vocês, diminuir o drama e não vou incluir as tragédias coletivas que o mundo está sofrendo. E olha que ainda estamos em agosto. Mas em meio a tantas coisas ruins, algo em mim me move ao encontro das coisas boas. Porque acredito muito que a vida gira em ciclos. Então, lá no fundo, sei que se eu não estou nos meus melhores momentos, em breve isso tudo vai se inverter novamente. O que significa que não tenho desculpas para ficar só chorando e me lamentando. A vida continua, um dia após o outro. E por isso mesmo que todo esse sofrimento de 2014 foi a força que eu precisava para me encorajar a fazer uma série de coisas bacanas. Afinal, não podemos só fazer o bem quando estamos necessitados ou desesperados. Por exemplo. Em maio, doei sangue. Eu sou doadora há alguns anos do Hospital A.C. Camargo e faço isso porque entendo a importância de doar. E embora nunca tenha precisado usar do banco, continuo doando. Porque alguém sempre precisa. Em abril, doei cabelo. Foram 20cm de um lindo cabelo loiro (não, não tenho a menor modéstia em assumir isso hehe), inspirada na atitude da Adriana (vale reler o post dela aqui). Não me lembro da última vez que cortei tanto assim de cabelo, mas também não me lembro da última vez que um corte fez com que eu me sentisse tão tranquila, tão leve e tão realizada. A doação foi para a ONG Cabelegria, que faz perucas para crianças carentes com câncer. Cabelos crescem. E crescem rápido! Posso garantir que, passados apenas cinco meses, já está até na hora de cortar de novo. Eu doo roupas sempre. Aliás, eu doo roupas com a mesma frequência e animação com que viajo. Para cada mala que faço, é uma outra mala de desapego de roupas, sapatos e acessórios que não servem ou que nunca mais vou usar. Toda vez que faço isso, libero espaço para...

Read More

Encontrar a paz para ser feliz

jul 25

Encontrar a paz para ser feliz

Hoje de manhã eu acordei e ao ligar a TV no ‘Bom Dia Brasil’, me deparei com as terríveis imagens do bombardeio contra uma escola da ONU na Palestina. Junto àquelas cenas deprimentes, uma série de outras visões tristes: bombas, mortes, guerra. Acreditem ou não, eram apenas sete horas da manhã e meus olhos já estavam cheios de lágrimas. Acho que foi um choque de realidade muito grande para mim. Não porque eu já não estava acompanhando a guerra ao longo dos últimos dias e acabei sendo pega de surpresa. Mas porque, de repente, eu me deparei com a minha pequenez diante dessa realidade trágica em que a humanidade vive. Tenho passado os dias, semanas e meses – para não dizer o ano inteiro – lamentando a vida: ‘ah, como é difícil fazer regime’, ‘nossa, preciso fazer alguma coisa em relação à minha vida profissional’, ‘ai, como gostaria de sair de casa’, ‘hum, como faz para ser rica e dar um update de classe média para milionária?’, ‘Será que um dia vou cicatrizar a ferida no meu coração e me apaixonar novamente?’. E daí, olhando os prédios explodirem na Palestina, percebi que sou mesmo uma grande ridícula. Não estou querendo dizer que os pequenos problemas individuais do dia a dia não são problemas. São. E é claro que incomodam, preocupam e tiram o sono de quem está vivendo cada um deles. Mas são problemas resolvíveis dentro da nossa dimensão. Essa é a diferença. A guerra no Oriente Médio; o avião civil abatido na Ucrânia, que matou 298 passageiros; ou qualquer coisa desse gênero; não são coisas que eu, você ou as pessoas de nosso convívio social podem resolver efetivamente. Nenhum de nós pode gritar ‘PARA’ e simplesmente fazer tudo isso desaparecer. Por isso, depois de assistir àquelas cenas chocantes (e depois de uma boa sessão de terapia, é claro), refleti e entendi que devo transformar todos esses meus problemas individuais, em boas energias para mim mesma. Quem sabe, dessa maneira, eu consigo fazer a diferença na minha vida, na vida dos que vivem ao meu redor, e na vida da humanidade. Parece pretensioso, eu sei. Mas é um exercício. Ficou claro para mim que os nossos pequenos problemas do dia-dia...

Read More

Posta banana num dia, espanca inocentes no outro

maio 07

Posta banana num dia, espanca inocentes no outro

Eu não sei quando foi exatamente que a humanidade voltou a agir sob o Código de Hamurabi. Sabe aquela coisa do ‘olho por olho, dente por dente’? Então. Para quem não acompanhou, uma mulher morreu nesta segunda-feira (05/05/14), no Guarujá, litoral paulista, após ser linchada e espancada dois dias antes, pelos moradores do bairro de Morrinhos, que ACHARAM (do verbo não ter certeza, sabe?) que ela era a suspeita de sequestrar duas crianças para fins de magia negra. De acordo com as notícias divulgadas sobre o assunto, a investigação policial aponta para o rumor como motivo do crime e afirma que não havia nenhum boletim de ocorrência sobre sequestro de menores na região. A informação da tal sequestradora que nem sabemos se realmente existe foi divulgada no Facebook, numa fanpage chamada ‘Guarujá Alerta‘. O boato, infundado e irresponsável, culminou na morte Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, que – vejam só vocês! – não era a tal suspeita. Ela era apenas uma dona de casa comum, casada e mãe de duas filhas, uma de 12 anos e outra de um ano e meio. Os vídeos do linchamento público estão por aí  pipocando na timeline de todos nós, ou nos canais de televisão, que assistimos indignados à barbárie humana. Assistimos e pior: compartilhamos. As cenas são assustadoras: Fabiana foi amarrada, espancada e arrastada. Recebeu pauladas na cabeça sem nem conseguir reagir à atrocidade que estava vivendo. Ou, melhor dizendo, morrendo. Foi humilhada no meio de uma roda de pessoas comuns, como ela. E sabe o que mais me chamou atenção? O fato de algumas pessoas ao redor eram contrárias à ação do linchamento. UFA, né? #sóquenão. Porque essas pessoas foram passivas e, não só registraram esse ato de violência como fotos e vídeos, como ao invés de chamar a polícia ou tentar impedir esse absurdo de alguma maneira, acompanharam Fabiana, já desacordada, ao ser arrastada, literalmente, para o fim de sua vida. [Como isso aqui é um blog Sem Critérios, disponibilizo o link para quem quiser assistir. É só clicar aqui. Mas, sinceramente, não recomendo. As cenas são chocantes e não vejo sentido em dar audiência para isso. A escolha é de vocês, é claro.] Em fevereiro deste mesmo ano, um menino de...

Read More