Encontrar a paz para ser feliz

jul 25

Encontrar a paz para ser feliz

Hoje de manhã eu acordei e ao ligar a TV no ‘Bom Dia Brasil’, me deparei com as terríveis imagens do bombardeio contra uma escola da ONU na Palestina. Junto àquelas cenas deprimentes, uma série de outras visões tristes: bombas, mortes, guerra. Acreditem ou não, eram apenas sete horas da manhã e meus olhos já estavam cheios de lágrimas.

Acho que foi um choque de realidade muito grande para mim. Não porque eu já não estava acompanhando a guerra ao longo dos últimos dias e acabei sendo pega de surpresa. Mas porque, de repente, eu me deparei com a minha pequenez diante dessa realidade trágica em que a humanidade vive.

Tenho passado os dias, semanas e meses – para não dizer o ano inteiro – lamentando a vida: ‘ah, como é difícil fazer regime’, ‘nossa, preciso fazer alguma coisa em relação à minha vida profissional’, ‘ai, como gostaria de sair de casa’, ‘hum, como faz para ser rica e dar um update de classe média para milionária?’, ‘Será que um dia vou cicatrizar a ferida no meu coração e me apaixonar novamente?’. E daí, olhando os prédios explodirem na Palestina, percebi que sou mesmo uma grande ridícula.

Não estou querendo dizer que os pequenos problemas individuais do dia a dia não são problemas. São. E é claro que incomodam, preocupam e tiram o sono de quem está vivendo cada um deles. Mas são problemas resolvíveis dentro da nossa dimensão. Essa é a diferença.

A guerra no Oriente Médio; o avião civil abatido na Ucrânia, que matou 298 passageiros; ou qualquer coisa desse gênero; não são coisas que eu, você ou as pessoas de nosso convívio social podem resolver efetivamente. Nenhum de nós pode gritar ‘PARA’ e simplesmente fazer tudo isso desaparecer.

Por isso, depois de assistir àquelas cenas chocantes (e depois de uma boa sessão de terapia, é claro), refleti e entendi que devo transformar todos esses meus problemas individuais, em boas energias para mim mesma. Quem sabe, dessa maneira, eu consigo fazer a diferença na minha vida, na vida dos que vivem ao meu redor, e na vida da humanidade. Parece pretensioso, eu sei. Mas é um exercício.

Ficou claro para mim que os nossos pequenos problemas do dia-dia podem não ser graves como uma guerra, mas são causados pelos mesmos sintomas: intolerância, arrogância, incompreensão, egoísmo, narcisismo, egocentrismo, desrespeito.

Eu entendi que só encontrando a paz e enxergando a vida de maneira mais leve, é que poderei encontrar as soluções práticas para aquilo que me incomoda, e a coragem que preciso para transformar as situações que me tornam infelizes.

Como católica que sou, rezo para que aquelas pessoas em estado de guerra possam encontrar a paz. Mas rezo também para que toda a humanidade encontre a paz. Não só a paz em não fazer a guerra em si, mas a paz de espírito, o amor no coração e a compreensão e respeito ao próximo.

Porque acredito muito que não é possível haver felicidade onde não há tranquilidade. E isso começa dentro de cada um.

paz2

Talita Camargo, 28 anos, é jornalista e está sempre conectada. Apaixonada por livros e cinema, vive para viajar o mundo e adora carboidratos. Libriana, sofre com o conflito da dúvida e busca o equilíbrio. Acredita no amor sincero e, para ela, pensamentos positivos atraem coisas positivas. Sempre!
Share Button

3 comments

  1. Fernanda Barreira /

    Lindo e verdadeiro texto, Ta! É fundamental entender a dimensão dos problemas e perceber quando podemos tirar algo positivo deles. Obrigada por compartilhar esse ensinamento 🙂

    • Talita Camargo /

      Vc, sempre querida! E sei que me entende e compartilha da esperança de, um dia, viver em um mundo melhor! 🙂

  2. Adriana /

    Talinda, nossos problemas “pequenos e individuais” sempre coexistirão em paralelo aos grandes problemas da humanidade. Nenhum anula ou diminui o outro. Mas, sem dúvida que se pudermos pegar os nossos probleminhas e mandá-los à puta que pariu, vivermos felizes e focadas no bem maior, o mundo será muito melhor para todos. E assim, não é por nada não, mas você já faz a diferença POSITIVA na vida de muitas pessoas…na minha por exemplo. LOV U e parabéns pelo belo texto.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*