Gentileza gera gente folgada

dez 11

Gentileza gera gente folgada

Se tem uma coisa com a qual eu não sei lidar é a sensação de ter sido feita de idiota. Eu acredito muito que as pessoas devem fazer o bem sem olhar a quem, e jamais esperar que o outro retribua toda sua atenção, carinho e generosidade.

Mas tem como não esperar nunca? Sério! Ainda não consegui atingir esse grau elevado de espiritualidade, porque uma hora cansa sempre ser boazinha e ajudar todo mundo, sendo que nunca ninguém para e pensa naquilo que você quer e que te fará melhor e mais feliz. Muito pelo contrário: as pessoas nem se quer têm a delicadeza de agradecer seu esforço ou reconhecer seu trabalho.

Fazer uma gentileza não significa transformá-la em obrigação. Talvez seja por isso que, cada dia mais, é quase impossível de encontrar uma boa alma na humanidade.

gente-folgada3No ambiente corporativo então, o festival de braços curtos chega a ser uma grande piada. Ninguém pode, ninguém quer, ninguém sabe, exceto os bonzinhos otários que sempre absorvem todas as demandas: as suas e as dos outros. Afinal, alguém tem que trabalhar, né?

As pessoas se acomodam com a bondade alheia. Elas partem do princípio que para o tal do bonzinho tudo está bem, afinal, “ela é um amor de pessoa, vai entender, vai aceitar, não vai se importar, vai…”

Vai pra pqp, baby! Porque assim: todo ser humano tem um limite. E ser bonzinho não é – ou ao menos não deveria – ser um defeito. Os outros não deveriam tirar vantagem disso e testar sua paciência até o limite.

O mais engraçado é que quando você resolve dizer não (ai, que difícil!) ou dizer que não gostou de alguma coisa, ninguém – absolutamente ninguém! – é capaz de entender, aceitar, respeitar. De repente, seus status de bonzinho passou a ser de um louca, que surtou do nada. Do nada? Vocês têm certeza disso? Ou será que uma hora os bons samaritanos da folga alheia, simplesmente cansaram? Pior: ainda julgam essas boas almas de hipócritas, falsos, duas caras e coisas do gênero.

gente-folgada2O respeito ao próximo está em falta no mercado e é com isso que os bonzinhos não estão conseguindo mais lidar. Do jeito que a coisa anda, não vai restar um ser do bem pelas ruas desse mundo afora. E aí eu pergunto: o que vai ser da humanidade, sem o mínimo de bondade? Pensem nisso antes de montar na boa fé alheia e transformá-la em um saco bem cheio de coisas ruins e pessoas pesadas. Afinal, como diversas outras coisas na vida – se não todas -, a gentileza é uma via de mão dupla.

A bondade é leve e transparente e não tem espaço para gente que chega, se acomoda e fica para sempre. A bondade anda de mãos dadas com a paciência, mas tem vaga limitada. #ficaadica

As pessoas precisam entender que ser BOA e ser BOAZINHA são coisas bem diferentes. E quer saber? Decidi estar na primeira categoria.

 

 

Talita Camargo, 28 anos, é jornalista e está sempre conectada. Apaixonada por livros e cinema, vive para viajar o mundo e adora carboidratos. Libriana, sofre com o conflito da dúvida e busca o equilíbrio. Acredita no amor sincero e, para ela, pensamentos positivos atraem coisas positivas. Sempre!
Share Button

10 comments

  1. Willian /

    Cai sem querer no seu blog e estou amando. Parabens, textos leves, divertidos e que retratam a realidade de mtos jovens, como por ex.. eu. bjs

    • Talita Camargo /

      Olá Willian! Muito obrigada pelo elogio! E fico bem feliz que vc tenha curtido! Volte sempre!! 🙂

  2. J.M /

    Me identifiquei 100% com o que você falou. Fui bonzinho no passado e já quebrei muito a cara por isso. Mas aprendi uma coisa na vida.

    Não nasci para agradar ninguém e nem poderei fazer isso. Quem não gostar que se dane. Ser bom não significa ser besta.

    • Talita Camargo /

      Olá!
      Acho que ser bom tem que significar algo para você. Mas você também deve ser responsável pelos seus próprios limites. Ou seja: ser bom é importante para você? Então seja bom! Mas não deixe ninguém se usar da sua bondade em benefício próprio. Não seja bobo, seja bom! 🙂

  3. Priscilla /

    Eu precisava ler este texto hoje. Maravilhoso. Gostaria de escrever algo assim. Colocou em palavras o que venho sentindo e decidindo a algum tempo.
    Gostaria de compartilhar no facebook, claro, colocando o link do site, e o seu nome. Pode ser?
    Abraço,

  4. Emr /

    Kkkk amei.Fazia td p os outros e nem MT obrigado..Um dia disse chega!Cansei d me fazer d besta e ficar agradando os outros preocupada c o iriam dizer.
    Faço o q quero e qd te
    nho vontade e q c danem o q vão dizer ou pensar d mim..

  5. Helen /

    Amei esse texto, me identifiquei muito! Estava procurando algo para compartilhar no facebook e esse é o texto certo! Parabéns

    • Talita Camargo /

      OI Helen!!
      Que bom que vc gostou!! Não podemos deixar os outros se aproveitarem da nossa bondade!! rs!!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Comer, estudar, trabalhar - Sem Critérios | Sem Critérios - […] corpo, alma e coração. Mas de outras formas, tem um pouco a ver como eu não saber impor limites,…

Deixe uma resposta para Willian Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*