Uma vesícula, 11 pedras e kilos de peso nos ombros a menos

out 08

Uma vesícula, 11 pedras e kilos de peso nos ombros a menos

Tirar a vesícula tem seu lado bom…o de ter tempo para pensar durante a recuperação da cirurgia (ah, e também espero que menos dores e enjoos). Essa foi a minha conclusão após a cirurgia que fiz no dia 26/09. Graças a Deus tudo correu bem e a recuperação tem sido melhor do que eu esperava.

Foram no total 10 dias de repouso e serão 45 dias sem fazer esforço físico. Fiquei 10 dias em casa, de boa na lagoa, aproveitando para cuidar do meu filho-cão Rudá, que estava com bronqueolíte e não saiu do meu lado o tempo todo. Meu namorado ficou morando em casa para cuidar de mim, já que minha família mora no interiorrrrr. Mas enquanto ele estava no trabalho me vi sozinha, sem poder fazer quase nada e me perguntava: cadê todo mundo que vinha nas festas que eu dava? Cadê aquelas pessoas que curtiram meu status no Facebook? Será que elas não sabem que aquilo lá é o mundo virtual e que as pessoas precisam de pessoas reais.

Não que eu quisesse todo mundo no meu quarto, me vendo de cabelo oleoso e pijama zuado, até porque eu amo minha solidão, mas sei lá, me magoei um pouco, achei que as pessoas estão muito frias. Eu sei que as que realmente não podiam ir me ver, se preocuparam à distância, me ligaram ou mandaram mensagens todos os dias…e sou muito grata por isso <3.

0-05033900-1366432998-chaves-triste-jpg

Minha grande amiga Tia Deise fez sopinha e foi me visitar diariamente, a sempre prestativa Tateana dava seus gritinhos para ver se eu estava bem e a sogra me encheu de frutinhas saudáveis….e isso ajudou na minha recuperação, sem dúvida nenhuma.

Mas, como minha Sindrome de Culpa Crônica nunca me abandona, refleti que estou colhendo o que plantei. Em geral, visito meus amigos e familiares muito menos (ou quase nada) do que gostaria, em partes pela correria do dia dia, pelos compromissos no final de semana e por preguiça. Mas, ao mesmo tempo, me senti aliviada, pois estamos todos (ou quase todos) no mesmo barco. Além de 11 pedras e uma vesícula, tirei um enorme peso dos meus ombros ao perceber que eu não sou a única “ocupada” nessa vida e que não preciso me sentir tão culpada assim.

Do mesmo modo, essa experiência me fez ter mais vontade ainda de encontrar os que eu realmente amo e dizer olho no olho o quanto são importantes para mim. Sei lá, talvez eu consiga espalhar umas novas sementes por aí. Só digo que já comecei meu novo jardim.

Ahhhh e não se admire se eu NÃO curtir seu post mas, ao invés disso, tocar sua campanhia. E também não se admire se eu não curtir seu post e nem tocar sua campanhia.

PS: Registro aqui meu eterno agradecimento para meu namorado Igor que fez papel de cozinheiro, faxineiro, motorista, enfermeiro, veterinário, dançarino e comediante.

PS1: Não quis ser arrogante nesse post e me achar tão especial ao ponto de obrigar os que amo a me visitarem. Sei que não sou ninguém…só mais uma na multidão.

PS2: Esse post não é indireta para ninguém, é apenas um convite para a reflexão coletiva.

 

Share Button

2 comments

  1. Dri, me senti a pior das amigas!
    mas, por mais clichê q pareça – e é – mesmo de longe, estou sempre perto. e vc sabe disso! te amo!

  2. Igor /

    Quando casam falam: na alegria, na tristeza, na saúde e na doença amando todos os dias de nossas vidas.
    Eu só quero o seu bem e ver você sempre feliz isso é pouco em relação ao meu amor por você. Te amo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*